resumo sobre o Brasil colonial Casa grande e senzala

Brasil colonial
Nos relatórios dos pesquisadores citados no livro " Casa grande e senzala" de Gilberto Freyre sugerem sistema político patriarcal nos primórdios da nossa história. Os imponentes casarões aqui edificados, onde nos alicerces foram misturados aos elementos químicos disponíveis da nossa terra, corpos de escravos. longe da aparência nórdica de castelos medievais, teve de se adequar ao clima tropical parecido com o da África. Então eram estruturas de pau-a-pique, telhas de barro, alvenarias de adobe ou pedra.
Imensos complexos de engenho as casas serviam como banco, pois os coronéis prometiam guardar o dinheiro das viúvas, vassalos e até de escravos. Dinheiro que os proprietários nunca mais veriam. Era o cemitério. Ali mesmo se enterravam os mortos da família, e também como igreja, pois dentro da casa havia a capela.
O jovem fidalgo, que desde criança aprendia a ser sádico, tratando como animal de estimação os escravos, chibatada e comendo as negras ou índias, pois era uma maneira barata de proliferar escravos. Era vigiado por mortos ancestrais e santos esparramados pela casa.
Há relatos de famílias que sentiam-se assombradas amiúde à noite com barulho de cadeira balançando, portas se abrindo, louças sendo lavada na cozinha. vultos indistintos, senhoras de chapéu e penduricalhos, pessoas recentemente mortas aparecendo, pedindo rezas de padre nosso, crianças brincando, etc.