Brasileiro é condenado por terrorismo na Ucrânia a 13 anos de prisão

Um cidadão brasileiro que, segundo as autoridades, lutou junto com os separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia foi condenado a 13 anos de prisão por um tribunal de Kyiv.
O brasileiro foi condenado por criar uma "organização terrorista" e "recrutar mercenários para terroristas
Os meios de comunicação ucranianos, incluindo os estabelecimentos situados no território separatista no leste da Ucrânia, relataram que se chamavam Rafael Lusvarghi e que ele foi preso ao chegar ao Aeroporto Internacional de Boryspil em outubro de 2016
O Ministério Público de Kiev alegou que o brasileiro condenado em tribunal lutou junto com os separatistas entre setembro de 2014 e maio de 2015, inclusive em mortíferas batalhas pela cidade de Debaltseve e pelo aeroporto de Donetsk.
Durante esse tempo, ele serviu como instrutor militar, bem como um recrutador de lutadores estrangeiros, disse o Ministério Público.

 acredita-se ser o primeiro não-russo e brasileiro a ser condenado  pela Ucrânia por supostos crimes relacionados à guerra, que matou mais de 9,750 pessoas no leste da Ucrânia desde abril de 2014.