Eu não tive ninguém por muito tempo

Eu não tive ninguém por muito tempo. Nunca conheci ninguém tão corajoso que teve a audácia de se arriscar e ficar do meu lado por um longo período. Já cheguei a pensar que o problema era propriamente comigo, que às vezes não consigo lidar muito bem com as coisas boas que disponho. Tenho mania de colocar na cabeça que se eu parar de demonstrar tanto valor para as pessoas ou parar de correr atrás delas, as coisas se resolvem. Mas ninguém sabe que isso é apenas o meu jeito interno de proteção. E não me protejo porque quero. Apenas não aprendi a deixar a guarda baixa. Eu sou uma pessoa com uma incrível facilidade de amar e exatamente por isso que me reprimo tanto. Tenho medo de me encantar novamente por alguém que simplesmente deixe a magia acabar meia-noite. Que não luta, não se esforça e permanece neutro vendo tudo se acabar rapidamente. Na mesma velocidade que começou. Mas queria que com você fosse diferente. Te imploro que continue insistindo em mim porque ainda tenho esperanças. Me faz acreditar que ainda vale a pena lutar por alguém, nem que seja apenas uma pequena porção, que vale a pena ir contra tudo pela nossa felicidade. Olha na minha alma, encara o meu ser, vai além da minha pele e me marca com o seu amor. Sei que uma hora essas armaduras que entornam meu peito e me bloqueiam de confiar e amar de novo vão cair. Só preciso que você seja forte o suficiente e tenha vontade de derrubá-las. Eu acredito nisso. E preciso que você acredite também. Porque senão eu continuo fixo nesse modo de proteção com medo de me machucar mais uma vez. E se você me perguntar porque eu sou assim, eu respondo que por muito tempo dependi demais das pessoas e acabei sempre assistindo o mesmo cenário: Todas indo embora. Ainda estou um pouco surpreso que alguém permaneça.
Allax Garcia e Pedro Pinheiro.