Um coração do tamanho desse mundo

Não tenho nada a oferecer. Nada que seja tão espetacularmente bom e emocionante que impressione alguém. Nada de diferente e especial que faça de toda livre-espontânea-vontade alguém pensar: “Porra, esse é o cara da minha vida”. Talvez o meu gosto exótico e antigo para as músicas possa ser suficiente para agradar alguns ouvidos. Ou os meus passatempos e hobby’s preferidos se intercalem com os de outro alguém — Até porque, é muito gratificante quando o gosto de duas pessoas se coincidem — . E quem sabe esse meu jeitinho individualista, exagerado e um pouco dramático me torne uma pessoa interessante. Ou até mesmo uma pessoa pela qual vale a pena apostar e tentar resolver o que acontece dentro de uma mente tão confusa e complicada. E insisto: Não tenho nada a oferecer. Mas possuo uma coisa extremamente importante e rara: Um coração do tamanho desse mundo. E uma vontade de amar maior que ele.
Pedro Pinheiro.