livro Os Detetives Selvagens

Os Detetives Selvagens


 por:MauricioRBCampos
Antes que quaisquer das histórias, a fragmentação parece ser o tema
principal d''Os Detetives Selvagens, novela do hoje cultuado escritor
Roberto Bolaño. É dizer, a impossibilidade de conhecer algo com
certeza absoluta. O falso e o verdadeiro trocam máscaras e então o
leitor sempre está a mercê das armadilhas que propõe a novela de
Bolaño.
No início, na primeira parte (de três), estamos ante o diário de Juan
Garcia Madero, um jovem estudante de direito de apenas dezessete
anos. Não se esclarece mais, apenas que acaba de ingressar a um
duvidoso grupo de poetas do Realismo Visceral no Distrito Federal do
México, um movimento criado pelo mexicano Ulisses Lima e o chileno
Arturo Belano, os quais serão os personagens principais da novela.
Se desceve o mundinho literário da Cidade do México na década de
1970 e é também uma espécie de iniciação ao próprio Garcia
Madero.
Na segunda parte, a fragmentação passa inteiramente ao primeiro plano.
Depois de sua misteriosa viajem à Sonora, Ulisses Lima e Arturo
Belano partem à Europa. Através de diversos “testemunhos” nos
vamos dando conta de que Ulisses regressa ao México anos mais tarde;
enquanto Arturo permanece lá, consegue consolidar-se como escritor e
por acaso encontra a morte nesse estado de exílio permanente, ainda
que nunca fica clao o destino final de nenhumm dos dois. É que
sempre os vemos um pela visão do outro, sem conhecer nunca suas
próprias perspectivas, sua própria versão de seus atos. Tudo
acontece como nos contos policiais, naquelas em que as cenas se
constroem juntando um quebra-cabeças de pistas, às vezes
contraditórias, às vezes meramente tangenciais, dos que tiveram
conhecimento deles. O leitor será o detetive, quem junta esse
quebra-cabeças.
Na terceira parte, que na verdade é a segunda, voltamos ao diário de
Garcia Madero, outro personagem que se dilue também, depois dos dias
do diário, atrás dos vidros de um Impala no deserto de Sonora.
Esclarecendo, essa aparece como terceira parte pois a busca por
Cesárea Tinajero é o elemento que sincroniza a novela. À partir
desse encontro, é que se narram as peripécias anteriores e
posteriores dos personagens principais: Arturo Belano e Ulisses Lima.
A busca por Cesárea Tinajero é simbólica em sentido platônico, pois
é como se nela buscavam a terra pometida da poesia, inclusive uma
maternidade poética, uma ideia que também sugere um dos
personagens, Amadeu Salvatierra, quando fala dos estridentistas e diz
que "todos os poetas, inclusive os mais vanguardistas,
necessitam de um pai. Mas estes eram órfãos de vocação". Se
revisarmos alguns antecedentes, descobrimos que a estrutura d''Os
Detetives Selvagens está inscrita na tradição de novelas como
Rayuela, de Júlio Cortázar; A Vida, Instruções de Uso,
de Georges Perec; Diccionario Jázaro, de Milorad Pavic e
o O desfile do amor, de Sergio Pitol.

Os Detetives Selvagens Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/books/novel-novella/2410622-os-detetives-selvagens/

Comentários