Micro-ondas Electrolux MTD30 - 20L

Imagem
Micro-ondas 20 litros da Electrolux. Possui 09 Receitas pré-programadas: arroz, carne moída, omelete, pudim, bolo de caneca, brigadeiro, macarrão instantâneo, pipoca e hambúrguer e as teclas Menu Descongelar, Menu Kids, Menu Dia a Dia, Menu Sobremesa, Tecla Aquecer Refeição, Tecla Início + 30s, Tecla Relógio e Tecla Mudo: é só apertar a tecla “0” por 4 segundos e o som de “bip” desaparece. Tem ainda 10 níveis de potência, de manter aquecido até assar bolos e preparar carnes, trava de segurança que permite travar o uso do aparelho quando você quiser (ideal para evitar que crianças ou pessoas não autorizadas a usar o produto possam acioná-lo), além de painel e classificação energética A.

clique na foto dele acima para comprar

Livro sobre maternidade tardia



Resumo escrito por:OUTONODAVIDA
Trata-se a Autora, de Economista e Analista Política. Seu objetivo, ao iniciar suas pesquisas em 1998/99, era escrever um livro de entrevistas com mulheres vivendo a experiência de ter 50 anos na virada do milênio. Quando começou a encontrar com essas mulheres, confrontou-se com um fato inesperado: Nenhuma delas tinha filhos. Todas elas tinham sido escolhidas por tratarem-se de mulheres proeminentes em vários campos de atividades.

Por tratarem-se de mulheres poderosas, com imagem pública cuidadosament criada e mantida, as entrevistadas, no início, mantiveram-se na defensiva. Todavia, na medida em que a Autora relatava sua própria experiência de vida, destacando-se uma luta de quatro anos contra a infertilidade e uma gravides bem sucedida aos 51 anos, as entrevistadas mmostravam-se mais abertas e confiantes. Então, a Autora deparou-se com outro fato importante: Nenhuma delas havia decidido ou escolhido não ter filhos. Contaram histórias semelhantes da a figura de filhos ter sido afastada de suas vidas por carreiras que a envolviam inteiramente e pela dificuldade de manterem relacionamentos de maior duração. No decorrer das entrevistas, considerando a frustração que a falta de um filho provocava, muitas mulheres culpavam suas carreiras, outras culpavam aos homens e outras a si mesmas.Mas toidas, sem exceção, desejavam que tivessem encontrado uma maneira de conciliar um filho com suas carreiras e suas formas de vidas tão atribuladas.

Através de seu trabalho de campo, a Autora comprovou que, ao contrário do que acontece com os homens, quanto mais bem sucedida profissionalmente é a mulher, menor é a chance de ter ou manter um parceiro ou ter um bebê. Ao contrário de suas avós e mães, as mulheres modernas conquistaram o direito de tornarem-se Presidentes, Deputadas, Governadoras, Diretoias Executivas de grandes companhias, Advogadas, Médicas, Delegadas de Polícia... mas, aos oucos, foram perdendo o direito de ser mães.

Por um longo tempo, na ânsia do crescimento profissional e material, na luta pela obtenção e manutenção de um status social, algumas nem percebem o vazio que a falta de um filho pode causar. Mas, ainda que inconcientemente, a maior parte das mulheres anseiam por um bebê. É da natureza da mulher.

Com base em todos os relatos obtidos, expostos no Capítulo 1 ("História da Linha de Frente"), a Autora relaciona as histórias ouvidas com dados nacionais e internacionais e chega à conclusão de que esse pequeno grupo de mulheres representa a geração "pós-feminismo", para as quais foi praticamente vedado o direito de ter filhos. Analisa a geração seguinte à dessas mulheres, concluindo que a geração que está vindo parecem estar encontrando ainda maiores dificuldades para conciliarem carreira e filhos e a dificuldade que as mulheres bem sucedidas encontram no mercado de casamentos.

É enfocado, ainda, o desafio que as mulheres mais velhas, acima dos 40 anos, enfrentam com relação à fertilidade e as propostas das novas tecnologias para que o desejo de ter um filho possa concretizar-se, quando tudo o mais já foi conquistado..

Finalmente, com base em criteriosas pesquisas, a Autora lida com soluções profiláticas. Advoga uma mudança de atitudes e de comportamnentos, assegurando que as mulheres mais jovens podem retormar o controle de suas vidas pessoais, escolhendo, como prioridade, encontrar seus parceiros entre 20 e 30 anos, para lutarem juntos por suas carreiras e filhos. Alerta para uma dura realidade: Se as mulheres continuarem dedicando todo o seu tempo e energia à obtenção e manutenção de uma carreira bem sucedida, deixando suas vidas privadas em segundo plano, com toda a certeza serão mulheres importantes, de destaque... Mas terão que abrir mão do direito de ser Mãe. E, cedo ou tarde, terão que conviver com a frustração e o vazio,

O livro é uma leitura imprescindível para a mulher que deseja conquistar uma carreira, sem abrir mão do direito de ter filhos.
Maternidade Tardia Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/books/biography/2382192-maternidade-tardia/

Comentários