Xangô, meu pai! O orixá rei


Resumo escrito por:Montyc
Xangô no sincretismo religioso é representado por são Jerônimo que tem um leão ao seu lado. Ora, o Leão, em termos da filosofia oculta e da magia elemental, relaciona a cada elemento (ar, terra, fogo e água) um animal (águia, touro, leão e homem, respectivamente). Dessa forma, o leão de são Jerônimo que é uma representação de Xangô no sincretismo indica o elemento fogo, o qual é regido por esse orixá. E é por isso mesmo que no sincretismo relgioso o orixá Xangô é relacionado a São Jerônimo, pois ele domina um leão. Ou seja, entende-se na filosofia oculta que a magia é iniciada através do domínio do elemento fogo, que é a chama da vida, a força que anima a carne e a matéria. Dominar o leão indica dominar o pensamento, a mente,o espírito, as forças interiores e exteriores, ou dominar o próprio ego, desde que a libertação espiritual só ocorre através da completa anulação do ego (domínio do espírito sobre o ego, e não ter o espírito dominado pelo ego, que indica ser dominado pelos males interiores - arrogância, ganância, ambição, vaidade, orgulho, maldade, malícia, ódio, etc. -, contrários às virtudes - amor, humildade, gratidão, etc.). O leão, então, representa o rei por excelência - é o rei da floresta -, representa o poder, a força, a beleza. Sendo assim, representa o ego, representa o indomável, representa o observador, representa o que comanda, representa o que ataca, além de representar o inverso que é a sabedoria, a serenidade, a audácia e a esperteza (enfim, o leão observa e analisa bem os passos de sua presa antes de atacá-la). Nas características negativas da representação do Leão, encontram-se o poder material pela força e pela inteligência; a própria força física, mental, intelectual e espiritual; o orgulho e a arrogância de atacar; a vaidade de se mostrar o mais belo e o melhor em tudo; o ser explosivo que não aceita críticas e ataca qualquer um (orgulho que mostra fraquezas); o leão também representa o senhor do espaço que ele mesmo cuida; representa o rei dominador e viril; bem como representa o ego em pessoa. Do lado positivo, a representação do leão em Xangô mostra a serenidade; mostra a paz; mostra a ação correta e pensada; mostra a sabedoria (ou a magia); mostra o domínio do ego; mostra o poder para defender e ajudar ao próximo; mostra o observador que vê os erros dos outros e busca se corrigir (o justo para consigo mesmo); mostra o buscador da elevação espiritual. No processo de autoconhecimento e busca pela evolução espiritual dos filhos de Xangô (aqueles que trazem as características espirituais e físicas do Orixá Xangô, regidos pelo elemento fogo) é necessário aos filhos de Xangô encontrarem em si cada mal interior, eliminando-o e substituindo-o por uma virtude com a sabedoria de um rei (leão) de ser humilde para reconhecer o próprio erro, e ser silencioso como um leão que persegue sua presa, para pegá-la, destruindo o mal interior como sendo sua presa. A eliminação dos processos egóicos é a principal ação a ser tomada pelos filhos de Xangô. É se tornar um leão em espírito para combater o mal em si e fora de si. Esse tipo de análise das representações dos elementos naturais e ferramentas do Orixá Xangô são encontradas nesse livro fascinante, que mostra princípios não encontrados em nenhum outro livro que trate das religiões afro-brasileiras. Para todo aquele que deseja aprender mais sobre os orixás, esse livro é bastante recomendado: "Xangô, meu pai! O orixá rei!"

Xangô, meu pai! Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/books/mythology-ancient-literature/2322061-xang%C3%B4-meu-pai/

Comentários