grandes histórias da mitologia



Resumo escrito por:Maria_Truccolo
“As grandes obras da mitologia greco-romana” tem apenas 64 páginas. São resumos muito bem feitos e bem humorados do autor gaúcho Ademilson S. Franchini. Com linguagem direta e muito acessível ao público jovem, o escritor começa por “O nascimento de Cronos” e termina em “Odisseu e as sereias”. Ótima obra como introdução ao mundo da mitologia.


O choque poderá ficar por conta da grande promiscuidade olímpica, das provas de que a fidelidade é algo impossível e que a justiça divina é uma farsa diante da agilidade com que a vingança humana (justiça selvagem) dá o troco. Os que acham que a zona olímpica é um horror ante um mundo tão civilizado como o nosso, cujas origens remontam mesmo aos mitos que colocavam alguma ordem em meio ao caos inicial, talvez enganem-se.


As histórias se repetem: deparamos diariamente com tipos feito Júpiter, Hera, Ulysses, Hércules, Ciclopes e outros. Porque a consciência dos mortais que os criaram continua imortal dentro de nós


. Assim como a história de um só Deus onitudo foi criada por mortais, que apartaram o mundo imortal, deixando-o inacessível e ao mesmo tempo tão próximo, como se quiséssemos justificar nossos atos mais absurdos e distantes do que se pretende humanidade. Só mesmo os deuses podem transgredir tanto e ficarem impunes - fantasia infantil que espelha nossa forma mais primitiva de sermos humanos.


A síntese sobre as histórias dos mitos mostra um panorama em que, seja Zeus em grego ou Júpiter em romano, este é um deus que muito testa os seus, mas não serve como bom exemplo a quem quer que seja – imortais ou não. Hera, sua esposa, gasta seu tempo imune a Cronos (pai que tenta, mas não consegue castrar/engolir Júpiter, que é ajudado pela mãe; depois, novamente com o auxílio materno é o filho quem castra o pai), às voltas com o marido devasso entregue ao canto das sereias, sejam elas de carne e osso ou apenas ilusões aladas ou com rabos escamados. Liberalismo proibido a Odisseu ou Ulysses.


Enquanto Zeus administra a filharada de deuses e semi-deuses, além de armar estratégias para manter seu poder e conquistar ainda mais, Hera se desdobra em artimanhas para punir suas rivais. No meio mitológico, ela tem seguidoras à altura e além, como a mortal Medeia, que reinventa a vingança punindo-se e ao marido, quando mata os filhos do casal, ao invés de atacar a concorrência. Será que devemos aos deuses o refinamento da nossa perversidade?


As grandes histórias da mitologia greco-romana Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/books/dictionary/2347999-grandes-hist%C3%B3rias-da-mitologia-greco/

Comentários