Vida em Marte é o tema que desperta maior interesse e fascínio pelo planeta vermelho



Resumo escrito por:FabioDuarteGarcia
Certamente este é o tema que desperta maior interesse e fascínio pelo planeta vermelho, sendo a grande fonte motivadora dos enormes investimentos em pesquisa e envio de sondas espaciais ao planeta Marte. Todo esse interesse pelo planeta deve-se a possibilidade de conter alguma resposta para a pergunta que há séculos vem angustiando toda humanidade: seria o planeta Terra a única reserva biológica do universo? Como veremos adiante, indícios de bactérias extraterrestres foram encontrados em um meteorito marciano, sendo este fato o ponto de partida para responder nossa angustiante dúvida sobre a existência de vida fora da Terra, e quem sabe, até ajudar a compreender melhor a origem da vida e nossa própria origem. Sondas Viking As sondas Viking 1 e 2 aterrisaram no solo marciano em julho e setembro de 1976, respectivamente. Além dos experimentos biológicos, outros objetivos da missão eram: analisar o clima, cartografar a superfície do planeta a partir de sua órbita, fazer analises do solo e da atmosfera. Aliás, os dados obtidos através da analise da atmosfera permitiu que mais tarde fosse possível determinar a origem marciana de alguns meteoritos. As sondas estavam equipadas com cinco instrumentos para investigar a presença de vida em Marte, sendo três deles usados para realizar experimentos com amostra do solo. Os resultados dos experimentos da Viking, embora um tanto quanto ambíguos (uns positivos e outros negativos) e por isso até hoje debatidos, mostraram que não há evidencias de processos biológicos ativos no planeta Marte, pelo menos na sua superfície e no local de pouso das sondas Vikings. Meteorito Alh84001 O meteorito Alh84001, de 1939 gramas, é um dos 12 meteoritos de origem marciana encontrados no planeta Terra. Recebe esse nome porque foi descoberto numa região da Antártica chamada Allan Hills (ALH) no ano de 1984 (ALH84), mais precisamente em 27/12/84 e foi o primeiro de sua espécie a ser encontrado na região (ALH84001). Esse meteorito apresenta minúculas bolsas de vidro hermeticamente fechadas com uma pequena amostra da atmosfera do corpo de onde provêm. A análise da composição desse gás no ALH84001 foi idêntica à composição atmosférica de Marte, estudada pelas Vikings.
Além disso, a análise da composição química do meteorito também confirma sua origem marciana. Diante desses fatos, os pesquisadores não têm duvidas que o ALH84001 é realmente um meteorito marciano. Descobriu-se também, que essa rocha continha glóbulos de carbonato, o qual é formado na presença de água. Portanto, o meteorito deve ter ficado em contato com água em Marte antes de iniciar sua viagem em direção a Terra. Outro achado que causou bastante euforia foi a presença de estruturas tubulares e ovalares, com textura e aparência semelhante a microfósseis. Essas estruturas tinham dimensões bem menores que as bactérias terrestres mais comuns, as menores estruturas tinham cerca de 1/1000 do diâmetro de um fio de cabelo,e as maiores 1/100. Os pesquisadores também encontraram cristais de magnetita no interior dos glóbulos de carbonatos. Cristais de magnetita podem ser formados por bactérias anaeróbias, como é o caso da Magnetospirillum magnetotacticum. Essas bactérias possuem no seu interior uma cadeia de cristais de magnetita que as ajuda a orientarem-se pelos campos magnéticos da Terra. Observou-se que o ALH84001 possui uma seqüência de grãos de magnetita muito semelhante aos fósseis deixados por essas bactérias. Conclusões Com o exposto acima, concluímos que o tema “vida em Marte” ainda é um mistério para os pesquisadores. Podemos dizer, segundo os experimentos da Viking e a opinião da maioria dos cientistas, que Marte não possui vestígios de processo biológico ativo. Do ALH84001 podemos concluir que existem indícios de vida antiga em Marte, mas não foi possível ter certeza absoluta e a questão ainda permanece em aberto. Aguardamos missões espaciais futuras para devendar definitivamente o mistério da vida em Marte.
O mistério da vida em Marte Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/exact-sciences/163925-mist%C3%A9rio-da-vida-em-marte/

Comentários