rotina regular de exercícios durante a sua gravidez



Resumo escrito por:NovaVersatil
Manter uma rotina regular de exercícios durante a sua gravidez pode ajudar você a ficar saudável e sentir o seu melhor. O exercício físico regular durante a gravidez pode melhorar sua postura e diminuir alguns desconfortos comuns, tais como dores nas costas e fadiga .Há evidências de que a atividade física pode prevenir a diabetes gestacional(diabetes que se desenvolve durante a gravidez), aliviar o stress, e construir mais resistência necessária para o trabalho de parto .

Se você fosse fisicamente ativo antes de sua gravidez, você deve ser capaz de continuar a sua actividade com moderação. Não tente se exercitar em seu nível anterior, em vez disso, fazer o que é mais confortável para você agora. De baixo impacto aeróbica são incentivados contra alto impacto. Não deixe que a sua freqüência cardíaca ultrapassar 140 batimentos por minuto.


Ferramentas Gravidez e Dicas
  • Os primeiros sintomas da gravidez
  • Calendário da gravidez
  • Como Engravidar


O atleta grávida competitiva deve ser seguido de perto por um obstetra.
Se você nunca ter exercido regularmente antes, você pode seguramente começar um programa de exercícios durante a gravidez após consulta com o seu prestador de cuidados de saúde, mas não tente uma atividade nova e extenuante. Andar a pé é considerada segura para iniciar durante a gravidez.
O Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia recomenda 30 minutos ou mais de exercícios moderados por dia em mais se não todos os dias da semana, se não tiver uma complicação médica ou gravidez.

Exercício durante a gravidez Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/pediatrics/2259905-exerc%C3%ADcio-durante-gravidez/
Gravidez X Motocicleta

Resumo escrito por:SilvaSilva
Gravidez X Motocicleta – Uma jovem motoqueira ficou grávida do seu namorado, e por ser a sua primeira gestação, resolveu mudar seu estilo de vida, abandonou as calças justas, salto alto... E decidiu deixar de usar a sua motocicleta durante o período mais delicado da gravidez. Depois de receber algumas informações, do médico, amigas, publicações do gênero, realmente ela tomou uma decisão, que deveria sacrificar a sua comodidade em se locomover através da motocicleta, e passou andar a pé e outros meios, ônibus, carona, etc. A barriga foi se desenvolvendo, o corpo ficando mais pesado, a moça quando passava pela vizinhança, tornou-se motivo de comentários carinhosos das amigas e conhecidos. Diziam: olá mamãe, e ai já levou chutinho hoje... demonstrava o seu aparente estado de prenhez. A jovem, como se diz no jargão popular “marinheira de primeira viagem” tal como as demais mulheres que passam por este período, começou euforicamente a preparar o enxoval do bebê, também para garantir a integridade da criança, passou a cuidar melhor da alimentação, dormir mais cedo, tudo para o bem estar da criança. Chegou outro fim de semana, e neste dia de domingo a moça agora com os seus pra lá de seis meses de gestação, ficou olhando a sua motocicleta estacionada em sua varanda, pensou, que saudade incrível de dar uma volta de moto, então, após alguns minutos lá estava ela montada na moto passeando pela cidade.
No dia seguinte disse: ela consigo mesma, acho que não faz mal nenhum eu ir apenas até o trabalho e voltar, é só andar tranqüilo e pronto, depois desta etapa adiante, decidiu que andar de moto na gravidez não via problema algum, sem mesmo ela perceber estava cuidando de sua rotina diária de locomoção tudo em cima da motocicleta, trabalho, serviço de banco, passeios... Passado algumas semanas, ela foi internada às pressas com fortes dores e contrações, sangramentos, logo após muitos esforços médicos a garota sofreu um aborto perdendo o bebê. As orientações médicas foram subestimadas e o preço que a jovem pagou é algo irreparável, o trauma psicológico... Portanto, Moto & Gravidez, não combina, quando a gestante trafega de motocicleta, ela deve realmente levar em consideração que o bebê está dentro do seu ventre sofrendo todos os solavancos, a posição da mulher sobre a moto com as pernas abertas como se estivesse cavalgando é fatal para a criança.
Gravidez X Motocicleta Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/gynecology/1773918-gravidez-motocicleta/
ALIMENTAÇÃO NA GRAVIDEZ E ALEITAMENTO

Resumo escrito por:GMCRibeirodeMoraes
As mudanças que o corpo da mulher sofre durante a gravidez e aleitamento exigem cuidados especiais. Neste período, a alimentação tem de ser particularmente variada e adequada às necessidades da gestante para fornecer todos os nutrientes necessários para a saúde da mãe e do bebê.
A ingestão de proteínas deve ser ligeiramente aumentada, pois é a partir delas que se dá a formação de novos tecidos na mulher, a placenta e o desenvolvimento de outros como o útero e as mamas, além da formação e crescimento do bebê.
Devemos variar as fontes de proteínas da alimentação, dando preferência a carnes magras, frango e peixe, feijões e leguminosas como a soja, frutas oleaginosas como nozes e castanhas, além de laticínios e ovos. As gorduras fornecem energia à grávida e ao feto. É usada para o crescimento do bebê e para formar estoques de energia que a mãe utilizará no período de aleitamento. Algumas gorduras como o Ômega 3 e o Ômega 6 são essenciais para o desenvolvimento e funcionamento do sistema nervoso e para os órgãos em geral do feto, regulação da hipertensão arterial se esta se manifesta durante a gravidez, redução do risco de nascimento prematuro e ainda ajuda a diminuir os problemas de depressão pós parto de que sofrem muitas mulheres.
São encontrados em óleos de milho, girassol, no azeite de oliva, em peixes como salmão, atum, sardinha e na linhaça.
Através dos carboidratos consumidos pela mãe, é que o embrião e o feto têm suas necessidades energéticas atendidas, e essas são bem altas já que precisam atender ao crescimento e maturação do bebê. Quando o consumo de carboidratos é baixo ao longo da gravidez, o recém-nascido corre o risco de nascer com déficit de peso.
Aproximadamente 60% do valor calórico total ingerido pela mãe deve vir de carboidratos que são encontrados em frutas, verduras, legumes, cereais integrais como arroz integral, pães e biscoitos integrais, barras de cereais.
Nos cereais integrais além de carboidratos completos, temos vitaminas, minerais e fibras que auxiliam no combate a outro mal comum a grávidas, a prisão de ventre.

A gestante deve fazer 6 pequenas refeições ao dia. Desta forma consegue variar mais os alimentos, suprindo a necessidade dos minerais como ferro, cálcio, magnésio, zinco e vitaminas A, ácido fólico e vitamina D. Vale lembrar que a gravidez não é a ocasião adequada para fazer dietas restritivas, a não ser que seja recomendada pelo médico. As dietas poderão provocar insuficiências nas necessidades calóricas e/ou em nutrientes específicos, que poderão resultar graves consequências para o seu bebê, como aborto espontâneo ou morte neonatal.
Não é recomendado "comer por dois": engordar demais durante a gravidez pode acarretar sérias complicações para a mãe e pro filho, desde pressão alta, diabetes gestacional e crianças obesas.
O consumo de alcool, assim como o fumo, deve ser excluído dos hábitos das gestantes, pois podem causar sérias lesões ao feto.
O sal deve ser usado com moderação pois em excesso retém líquidos causando edemas e hipertensão arterial.
É recomendada a ingestão de pelo menos 2 litros de água ao dia, mantendo a grávida sempre hidratada.
Não deve abusar do café, refrigerante a base de cola, guaraná e chás mate e preto, pois contém muita cafeína, podendo causar taquicardia e picos hipertensivos.
Os alimentos devem sempre ser bem lavados, cozidos e depois de prontos guardados em geladeira.
Durante o período de amamentação a nova mamãe deve continuar com uma alimentação equilibrada. Lembre-se que tudo que comer irá para seu bebê através do leite materno.
Abuse de frutas, sucos, legumes e verduras. Faça pratos sempre muito coloridos, desta forma garantirá boa saúde ao seu bebê.

ALIMENTAÇÃO NA GRAVIDEZ E ALEITAMENTO Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/books/guidance-self-improvement/1668112-alimenta%C3%A7%C3%A3o-na-gravidez-aleitamento/
ABUSO DE ÁLCOOL E DROGA NA GRAVIDEZ É FATOR DE RISCO PARA DEFICIENCIA

Resumo escrito por:Jerson Aranha
ABUSO DE ÁLCOOL E DROGA NA GRAVIDEZ É FATOR DE RISCO PARA DEFICIENCIA Dados preliminares de pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP apontam que metade das deficiências mentais é causada por fatores ambientais como desnutrição, infecções crônicas e pós-natais e, principalmente, pelo uso de álcool e drogas pelas gestantes. O estudo investiga as causas dessas doenças há oito anos, com foco nas crianças internadas nas Associações dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAEs) de Batatais, Altinópolis, Serrana, Cajuru e Nuporanga (interior de São Paulo). O trabalho é feito pela equipe do professor João Monteiro de Pina Neto, do Departamento de Genética da FMRP. Ao todo são mais de 900 alunos. O objetivo é traçar um mapa da prevalência e os tipos das deficiências mentais nestas cidades, para estabelecer seus fatores de riscos e, assim, iniciar um projeto de prevenção. São realizadas avaliações psico-social, médica, com ênfase no exame neurológico e genético-clínico, heredogramas e detecção de famílias com múltiplos afetados e consangüinidade, exames genéticos, cariótipo, DNA e bioquímicas, exames de imagens como ressonância e tomografia. Entre as mulheres grávidas que fazem pré-natal nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) nas cidades pesquisadas, de 10% a 30% fazem uso de álcool. A equipe do projeto encontrou um grande número de deficientes cujo fator desencadeante para a doença foi o uso do álcool pelas gestantes. A partir dessa informação, foi feito um levantamento nesses municípios, avaliando por meio de questionário as mulheres que fazem pré-natais nas UBS e a relação delas com o uso de álcool ou drogas. Álcool O questionário utilizado foi o T-ACE, adaptado pelos professores Erickson Furtado e Milton Roberto Laprega, da FMRP. O T-ACE é dividido em quatro questões: a primeira procura avaliar a tolerância ao consumo de álcool, a segunda busca descobrir se existem reações contrárias dos familiares à ingestão de bebidas alcoólicas pela gestante, e a terceira avalia o ressentimento pessoal com a bebida, por intermédio de uma auto-reflexão. Em Batatais, a pesquisa chegou ao fim e revelou que cerca de 30% das mães declararam beber acima do limite durante a gravidez. Esses resultados foram entregues à Secretaria Municipal da Saúde. Para o coordenador da pesquisa, a estrutura agrária da região contribui para essa situação. "Os pais vêm em busca de trabalho e largam os filhos que são adotados pelo mundo das drogas", afirma. "Por outro lado, tem o sujeito que não traz a família, ganha dinheiro e com isso seduz essas meninas ou jovens mulheres, que são levadas ao consumo do álcool e também de drogas mais pesadas, como a cocaína. Precisamos de campanhas contra o uso dessas drogas, que lesam o sistema nervoso de forma brutal". A partir dos 646 questionários aplicados em Batatais, entre 2003 e 2005, foram contactadas 165 mulheres por fazerem alguma referência ao uso de álcool e 96 foram entrevistadas. Dessas, 50 confirmaram o uso de álcool ou outro tipo de droga ou os dois juntos. Na escala de depressão e ansiedade, 10% dessas mulheres apresentaram algum tipo de psicose e o mais grave, algumas delas já têm até dois filhos lesados. A pesquisa contou com a colaboração da APAE da cidade e da aluna de Fisioterapia da FMRP, Thais Silva Mucchiaroni. Prevenção O professor Pina afirma que toda deficiência tem causa e é possível estabelecer essa causa em cada criança e ainda preveni-la em cerca de 80% dos casos. "O que existe é um enorme fosso entre quem detém o conhecimento e quem trabalha com o deficiente", afirma o professor. "O problema se agrava porque falta estrutura para as APAEs e para as Unidades de Saúde dos Municípios no atendimento ao doente mental e principalmente para o trabalho de prevenção". O pesquisador lembra que, no Hospital das Clínicas da FMRP, por exemplo, a segunda causa de mortalidade de crianças com até 20 semanas de concepção é por doenças genéticas, aquelas com deficiência causada por fatores ambientais sobrevivem. "As APAES precisam ter um médico geneticista. A doença mental é crônica, eles não precisam vir ao HC para tudo", enfatiza o professor "Vamos pagar um preço muito alto se pensarmos só em tratamento e não em prevenção para a deficiência mental e ainda teremos que construir muitas APAEs por ano", afirma.
ABUSO DE ÁLCOOL E DROGA NA GRAVIDEZ É FATOR DE RISCO PARA DEFICIENCIA Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/1702939-abuso-%C3%A1lcool-droga-na-gravidez/
Gravidez mês a mês

Resumo escrito por:amaranto
Gravidez mês a mês Se as mulheres já tendem a ser mais ansiosas que o sexo opsto, imagine então, quando estão grávidas. Para ajudar a futura mamãe a acompanhar as transformações no seu corpo e no do bebê e as mudanças, necessárias ou não, na sua rotina. 1º mês Você não menstrua: sinal mais evidente de que está grávida e o seu corpo começa a se modificar sem que perceba. Se ainda não procurou um médico ginicologista e obstetra, já passou da hora! Isso porque você deveria ter começado a tomar ácido fólico três meses antes de engravidar para evitar má-formações no bebê. Algumas gestantesjá começam a ter mal-estar. Se você pratica alguma atividade física, continue, desde que ela não seja de alto impacto. Natação alongamento, ioga e caminhada são as ideais e podem ser praticadas durante toda a gestação. Com o bebê: ao final do mês, o embrião se assemelha a uma vagem com brotos, de onde surgirão os órgãos, e mede cerca de 3mm. 2º mês As mamas aumentam um pouco e começam a aparecer os sintomas de náusea, irritabilidade, peso nas pernas, saliva em excesso, constipação e aumento na vontade de urinar. Com o bebê: ele mede 2,5cm e pesa entre 2g e 3g. Os membros do corpo se individualizam e os traços do rosto do feto tornam-se mais nítidos. 3º mês O útero tem o tamanho de uma laranja grande e cuidado com o aumento de apetite para não engorda. Aquela historia de que mulher grávida come por dois não existe: “ A gestante deve aumentar o consumo de calorias em apenas 20%. O seu peso, ao final da gestação, também só deve subir 20%. Comer alimentos frescos, frutas e verduras é essencial”. Com o bebê: surgem os primeiros ossos e os órgãos genitais, agora o feto mede, 12cm e pesa 65g. 4º mês Você tende a sentir mais calor e seu intestino e estômago ficam preguiçosos. Com o bebê: o sentido do tato se desenvolve e as mãos estão completamente formadas. O feto mede agora perto de 20cm e pesa entre 250g. 5ºmês Seu abdômen esta completamente arredondado e você perde o fôlego com mais facilidade. ( se for sua primeira gravidez ),é só a parti da vigésima semana que você passará a sentir os movimentos do bebê, será uma grande emoção. Com o bebê: os fios de cabelos aumentam, as digitais e o aparelho respiratório segue evoluindo.
O bebê já tem cerca de 30cm e pesa 650g. 6º mês A dificuldade para dormi aumenta: procure uma posição confortável, mas deite se sempre sobre o lado esquerdo. Com o bebê: ele já está tão desenvolvido que quase viveria fora do útero. E mede 35cm e pesa em torno de 1kg. 7º mês O sangue circula mais rapidamente e o coração b ate mais acelerado. Com o bebê: os olhos estão completamente abertos e os ouvidos, sensíveis aos barulhos, mede cerca de 40cm e pesa 1,5kg. 8º mês Contrações isoladas provocam dores repentinas. As articulações da região da bacia começam a se deslocar para se prepararem para a passagem do bebê. Depois do oitavo mês, é bom checar como anda a movimentação da criança. Coloque a mão sobre a barriga e anote num papel a freqüência dos movimentos: o normal é 7 vezes em torno de uma hora. Se você não notar nenhum movimento depois de duas horas, procure assistência médica . A parti desse mês, é bom evitar viagens longas por causa da iminência do parto. Com o bebê: ele engole muito liquido amniótico e urina bastante. Além disso, assume a posição definitiva para o parto, com a cabeça voltada para baixo. Seu comprimento fica em torno de 45cm e 2,5kg. 9º mês O útero fica 10 vezes mais pesado e 500 vezes maior. Como o centro de gravidade se deslocou, você se movimenta com dificuldade. É bem arrumar as malas. Com o bebê: sua criança ganha mais peso e tamanho e, pela falta de espaço, não vê a hora de sair do ventre. Costuma pesar uns 3kg e 50cm. O que não pode fazer nunca 1º Não fumar 2º Não beber 3ºnão pintar o cabelo ou fazer reflexo De Larissa Rosseto
Gravidez mês a mês Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/493995-gravidez-m%C3%AAs-m%C3%AAs/
A prática de hidroginástica durante a gravidez proporciona inúmeros benefícios

Resumo escrito por:mjorge
Dentro de água, a gravidade é atenuada, logo, o peso corporal fica reduzido. Se isso faz com que qualquer pessoa se sinta bem dentro de uma piscina, para uma grávida, com alguns quilos a mais do que é habitual, a sensação de bem-estar será ainda mais proveitosa. O corpo que parecia pesar uma tonelada, parece, imerso pela água, leve como uma pena. Esta é uma das razões para que a hidroginástica seja a actividade física de eleição durante a gravidez. Ao mesmo tempo que está a «trabalhar» para manter a forma, a grávida aproveita para relaxar. Mas as vantagens e benefícios da actividade física na água não se ficam por aqui. «A hidroginástica ajuda particularmente em toda a adaptação que a grávida sofre ao longo da gravidez: aumento de peso, dificuldade de locomoção e laxidão dos ligamentos que unem os ossos. Tudo isto vai facilitar a existência de lesões com outro tipo de exercício. As características do meio aquático permitem trabalhar sem o peso real do corpo, o que torna a actividade mais fácil, menos propensa a criar lesões e mais agradável», esclarece Maria Augusta Rebordão, obstetra no Hospital Garcia da Orta, que costuma aconselhar a prática de hidroginástica às grávidas que acompanha. A obstetra destaca ainda outras vantagens da hidroginástica durante a gestação: «Em relação ao aspecto psicológico, a sensação de bem estar que a submersão pode transmitir é muito importante. E a água é um meio privilegiado para perder calor, algo que também afecta muitas grávidas», continua. Na Piscina Municipal de Loures, as aulas de hidroginástica pré-parto começam com uma sessão de alongamentos fora de água: «O objectivo é fortalecer o arco plantar, para evitar o pé-chato durante a gravidez, diminuir os edemas dos tornozelos e fortalecer a estrutura muscular de suporte, nomeadamente a zona lombar e cervical», explica a professora Cláudia Martins, que trabalha com grávidas há cerca de 12 anos. Ritmos e pressões É muito comum durante a gravidez o aparecimento de edemas (inchaço provocado pela acumulação de líquidos no tecido celular) nas pernas, especialmente nos tornozelos. A água actua como uma espécie de massagem que vai estimular a circulação e ajudar o retorno venoso do sangue ao coração, evitando assim a formação de edemas. «Se a grávida começar a fazer hidroginástica logo que o médico permitir, dificilmente vai ficar inchada», diz Cláudia Martins.
Mas os benefícios da hidroginástica não favorecem apenas a gravidez. Alguns exercícios são realizados a pensar no parto. «A água ajuda o trabalho de flexibilidade. Fazemos exercícios para fortalecer a parede abdominal e trabalhamos os músculos do períneo, sempre a pensar no parto», explica Cláudia Martins, ressalvando, no entanto, que este tipo de exercício só deve ser realizado até aos sexto mês de gravidez, para não acelerar o parto. Cuidados especiais Quem nunca praticou exercício físico ou está parada há muito tempo, deverá esperar pelos terceiro mês de gravidez para iniciar a hidroginástica. «Nesta altura já se deu a nidação [fixação do feto no útero] e há menos risco de acontecer um aborto natural», explica Cláudia Martins. Quanto ao limite para continuar a praticar este tipo de exercício, depende de cada mulher. «Acho que não existe limite de tempo. Mas, se a grávida já estiver com contracções não vejo benefícios em continuar. A partir do momento em que deixe de ser agradável para a grávida é porque está na altura de parar», defende a obstetra Maria Augusta Rebordão. Cláudia Martins é da mesma opinião. «Já tive uma aluna que fez a aula de manhã e teve o bebé à tarde. E correu tudo bem». O importante é que os exercícios sejam adequados à gravidez. «Não pode haver saltos, a água deve cobrir os ombros, os chutos não podem ser altos, as pernas devem estar afastadas, mas não totalmente abertas, para não forçar a anca», explica Cláudia Martins. E, por muito que seja agradável flutuar, a professora não aconselha as grávidas a andarem «fora de pé» sem o apoio de uma bóia, por questões de segurança. Há que ter cuidado ainda com a temperatura da água. «O ideal é estar entre os 27 e os 29 graus. Valores mais altos não são aconselhados porque podem levar a uma dilatação excessiva dos vasos sanguíneos e baixar muito a tensão», explica Cláudia Martins.
A prática de hidroginástica durante a gravidez proporciona inúmeros benefícios Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/humanities/1655839-pr%C3%A1tica-hidrogin%C3%A1stica-durante-gravidez-proporciona/

Comentários