O modo cientifico de pensar começa com um problema



Resumo escrito por:SylviaGandara
Professor Joaquim Severino, através de um incidente da novela A.J. Cronin "A Cidadela" ilustra o modo científico de pensar.

Na novela, o médico Andrew chega ao quarto do doente Emrys e, de início, quase não o reconhece. Seu rosto está inchado e sua pele da cor da cera. Andrew fala com o doente, que dá uma resposta incompreensível e depois, cerrando seus punhos, rompe uma série de disparos agressivos. Bramwell, outro personagem da novela, tem certeza de que se trata de um caso de "mania homicida aguda" e pede a Andrew para assinar o certificado. Andrew acha que deveria estar convencido, mas, inexplicavelmente não se sente satisfeito. "Por quê? Andrew, está procurando problematizar o caso, o que o leva a vários questionamentos. Vemos que o problema de Andrew é encontrar a causa dos sintomas de Emrys. Portanto, o pensar cientificamente é semelhante ao pensar reflexivo de um modo geral, o modo de pensar reflexivo constitui uma atividade solucionadora de Problemas

O modo cientifico de pensar começa com um problema.O problema de Andrew era específico, era um problema médico, o qual requeria fazer o diagnóstico de uma doença e procurar saber as razões dos sintomas revelados por Emrys. Logo, o problema é que vai desencadear a pesquisa. Este dirá o que é relevante ou irrelevante observar. Seus conhecimentos lhe fornecem uma série de hipóteses preliminares ou sugestões quanto à solução do problema. Esta hipótese, conjectura ou suposição, que servirá de guia ao cientista. As hipóteses preliminares ou funcionais lhe fornecem uma série de possíveis soluções alternativas. Se o problema não estiver enunciado com clareza, precisa ser recolocado de forma precisa .
Conhecimento prévio fornece "idéias" ao cientista, suposições provisoriamente aceitas que "podem" ser a solução do problema. Esse conhecimento prévio é demonstrado no incidente de "A Cidadela", quando Andrew levanta a mão e toca o rosto inchado do doente, fez isto porque seu conhecimento de médico lhe diz que um rosto inchado é sintoma de várias doenças diferentes. O estado do tecido, macio ou duro, pode ser altamente significativo e ele notou que a pressão do seu dedo não deixou marca no rosto. Em seguida ele interpreta aparente condição edematosa. A carne que não deixa impressão quando tocada, está ligada com seu conhecimento médico, sobre myxedema.

Há ainda mais um aspecto essencial do método científico ilustrado no exemplo da "Cidadela". É o que se denomina de hipótese explanatória, ou teoria. Uma hipótese explanatória é a formulação de uma solução para o problema. A hipótese explanatória de Andrew para explicar a condição de Emrys é esta: Emrys está sofrendo de Myxedema. Esta hipótese entrosa o comportamento de Emrys com o seu rosto aparentemente edematoso. Logo, da hipótese funcional parte-se para a hipótese explanatória.Uma boa hipótese explanatória deve ter duas características principais: é necessário que se apliquem a todos os fatos conhecidos como também que possa ser testada.
Pergunta-se de onde vem a hipótese explanatória? Freqüentemente os cientistas falam do lampejo de compreensão que penetra no âmago de um problema difícil. Contudo, deve-se proceder cautelosamente, com vagar para estar, inteiramente certo! Voltando à narrativa pode-se completar a discussão do episódio. Andrew procede em seu exame. Levanta a mão de Emrys. Nota a pele ressecada e áspera, os dedos mais grossos nas pontas. Sua temperatura é subnormal. Metodicamente ele termina o exame. Deve ser analisadas as implicações da exigência científica de que a hipótese deve ter a capacidade de ser testada. Logo, uma hipótese explanatória deve ter a capacidade de ser testada e é necessário que seja testada. No caso de duas hipóteses serem capazes de explicar igualmente bem os fatos conhecidos, então o cientista em geral, preferirá a mais simples.
O próximo passo é a verificação da hipótese fazendo mais exames ou experimentos. Na narrativa este é o caminho seguido por Andrew em seu raciocínio ao procurar verificar sua hipótese. Se Emrys realmente tem estes outros sintomas Ele na verdade previu que encontraria certos sintomas se continuasse a procurar.
Antes der dar prosseguimento, sobre mais alguns aspectos gerais do modo científico de pensar e métodos científicos, o autor faz um resumo da discussão do caso da narrativa "A Cidadela". No caso, apresenta oito passos distintos do método científico, que são enumerados em forma de tabela, demonstrando a aplicação de cada um com relação à ilustração de "A Cidadela”.
Os passos essenciais do pensar cientificamente são:
- A situação que provoca a investigação
- A formulação precisa do problema
- Exames dos fatos pertinentes
- A utilização de conhecimentos prévios
- A formulação da hipótese explanatória
- Dedução da hipótese – se esta for verdadeira prediz conseqüências
- Testar a hipótese fazendo outros exames
- Conclusão: a hipótese é ou não confirmada

Nota-se que o cientista combina exames cuidadosos com raciocínio rigoroso. A ciência combina procedimentos racionais e empíricos: sem raciocínio não existe a ciência. E, sem as teorias e deduções destas não poderia haver desenvolvimento da ciência. Em última análise, a teoria tem o seu objetivo – a descoberta e a compreensão dos fatos. Uma hipótese explanatória deve estar de acordo com os fatos conhecidos, e se os fatos prognosticados não aparecem, então a hipótese deve ser rejeitada.


Como PENSAM OS CIENTISTAS Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/exact-sciences/biology/1916351-como-pensam-os-cientistas/

Comentários