escolher entre humanas e exatas



Resumo escrito por:reidocurso
Era certamente natural que aquele que tivesse uma forte inclinação para a área das ciências tecnológicas descartasse, de bate-pronto, qualquer carreira que envolvesse disciplinas como a literatura e a filosofia. Da mesma forma que aquele que tivesse aspirações artísticas nem de longe sonharia em considerar entrar para profissões em que tivesse que dominar cálculos, números ou certas linguagens de computador e outras ferramentas técnicas. Mas os tempos mudam e o que antes parecia ser conflitante, hoje desponta como tendência: a queda das fronteiras entre as áreas. As carreiras estão deixando de ser estanques e, cada vez mais, o mercado de trabalho vem demandando um tipo de profissional diferente. É apostando nesse diferencial que algumas escolas visualizam o profissional do amanhã, apostando suas fichas na formação de artistas multimídia ou técnicos-artistas.

Pioneirismo da PUC A Pontifícia Universidade Católica (PUC) foi uma das pioneiras nesse segmento, com o curso de Tecnologia e Mídias Digitais e habilitação em Arte e Tecnologia, cuja primeira turma foi formada em 2004. O principal elemento que diferencia essa habilitação de uma formação tradicional em arte é a ênfase dada à compreensão e à utilização dos novos recursos tecnológicos disponíveis e a relação direta desses recursos com as questões da modernidade. De acordo com Rejane Cantoni, 45 anos, coordenadora da habilitação, toda a estrutura do curso foi planejada para ser híbrida, de modo que o estudante que se forma por essa habilitação não é só um artista ou só um tecnólogo. Não existe essa cisão, garante, lembrando que, na grade curricular, as disciplinas vão de cultura contemporânea a sistemas hipermídia. A própria Rejane leciona a disciplina Poéticas Experimentais, que acaba simbolizando com propriedade o espírito geral do curso. A gente faz um percurso do nascimento do computador, em 1945: o percurso dessa união entre cientistas que precisavam de ferramenta de visualização de problemas complexos, e artistas que viram uma máquina que possibilitava desenhar com a mente, ou o mais próximo do pensamento, explica.

Rejane diz que o campo de trabalho para o profissional especializado em mídias digitais vem se ampliando de forma acentuada. Entre as possibilidades empregatícias, ela lista: consultoria e design de sistemas midiáticos para museus, exposições, shows e outras facilidades públicas; consultoria no uso de mídia assistida por computador em projetos de informação, comunicação e entretenimento; design e implementação de conceitos estéticos para internet, Cd-Rom, DVD, vídeo e impressão; atividades que demandem o uso criativo de tecnologias de ponta nas diversas áreas de expressão midiática (cinema digital, TV digital, fotografia digital, ambientes multimídia, escultura digital, etc.); atuação na área acadêmica (pesquisa, ensino e outras atividades didáticas); atuação nas áreas de crítica e curadoria em arte e mídias digitais.
Humanas e exatas: uma nova alquimia Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/social-sciences/education/2330926-humanas-exatas-uma-nova-alquimia/

Comentários