entender conhecer a bruxaria



Resumo escrito por:SatineLefevre

A Bruxaria Neopagã, ou "Wicca", teve o seu início nos anos 40 e 50 com os escritos de Gerald B. Gardner. Faltam evidências desta história. Pela sua própria descrição eles parecem ter sido um grupo de maçons, hermetistas, rosacruzes e ocultistas, não verdadeiras bruxas "tradicionais" .


 Os seus próprios registros das atividades e crenças/práticas do grupo testemunham isso. Wicca lembra muito fortemente uma versão descristianizada da Ordem da Aurora Dourada (Golden Dawn), e reivindica "descender espiritualmente" das antigas religiões pagãs, mas sustentam pouca semelhança com a cultura nativa pagã autêntica da Europa. A Bruxaria Tradicional, refere-se às crenças e práticas de famílias e organizações secretas da Arte que antecedem o século vinte. Entretanto, o folclore e a história do século 11 em diante testemunham práticas similares àquelas transmitidas hoje pelas bruxas tradicionais. A Wicca tem uma estrutura formal, baseada no modelo de "três graus" de iniciação, com títulos de "Alto Sacerdote, Alta Sacerdotisa" orientado para o Feminino. Há duas "tradições" reais de Wicca... A Gardneriana (a original) e a Alexandrina. .. Muitas tradições "ecléticas" surgiram (Celta, Faery, Saxônia, Diânica etc. etc.). Na Bruxaria Tradicional, não há uma "estrutura" de grupo definida. Títulos não são tão utilizados, e a liderança pode tanto ser masculina quanto feminina. Os rituais Wicca também tendem a ser muito formais e escritos previamente à mão... enquanto que na Bruxaria Tradicional, a maioria dos rituais são espontâneos e muito menos estruturados. A idéia é a de que não é como você faz algo, mas sim, porque você o faz. Na Bruxaria Tradicional, o progresso é mais lento do que na Wicca, Viver a vida, aprendizado e experiência são cruciais para um "progresso" e "iniciações" acontecem a nível pessoal, dadas por poderes do outro mundo. A Bruxaria Tradicional aceita isso. A Wicca tem muitos conceitos "new age" que não encontram lugar no contexto da Antiga Bruxaria Européia. KARMA: Na Bruxaria Tradicional, "Destino" é um conceito importante.. . "karma" nem é citado. Não há "débitos kármicos" ou "karma carregado pela pessoa". A crença da Arte Tradicional é muito diferente dos conceitos orientais de "karma." A LEI TRÍPLICE: Não tem base na história ou na realidade. Wicca aceita isso como uma lei física e imutável. Não existe nenhum traço de uma crença como essa na Bruxaria Tradicional. DUOTEÍSMO: A crença wiccan determina que "Todos os Deuses são um Deus e todas as Deusas são uma Deusa." Este "duoteísmo" não tem precedentes nas crenças das bruxas tradicionais. Nossos ancestrais europeus eram politeístas. LIVRO DE SOMBRAS: Na Wicca talvez seja real, mas nos Antigos Dias, ter evidências escritas era uma sentença de morte. A Antiga Arte era principalmente passada adiante oralmente. A religião Wicca tem uma "regra de ouro": "faça o que quiser, desde que não prejudique a nada nem ninguém." A Arte Tradicional não tem tal regra. A ética na Antiga Arte é regida pelas circunstâncias.
Danos e feridas, tudo existe na natureza... somos partes dela. Assim, danos e feridas fazem parte de nós. Nós matamos plantas e animais para comê-los. Vida alimenta a vida. A Bruxaria Tradicional se alguém ameaçar a família ou a Fé, então parar a ameaça é a prioridade. Se isso significar prejudicar alguém, as bruxas tradicionais farão sem nenhuma imposição ética contra isso. O calendário wiccano é divido em oito sabás... os quatro festivais celtas, os dois solstícios e os dois equinócios. Na Bruxaria Tradicional, os Dias Sagrados celebrados são diferentes de Tradição para Tradição e de pessoa para pessoa. É muito comum em círculos wiccanos se ouvir invocações de "Pan, Thor, Lillith e Freya". Os wiccan acham que eles tem o direito de chamar qualquer combinação de deuses. Na Bruxaria Tradicional, a cultura dos povos da terra, e dos povos de gerações atrás, determinam o contexto cultural da tradição. Wicca aparece como uma religião de "sinta-se bem" e "bondade e luz". Esta visão desbalanceada, NÃO é como as bruxas tradicionais vêem as coisas. Instrumentos usados pelos wiccans - Taça, Pentáculo, Faca e Bastão, representam os quatro elementos herméticos. O "círculo mágico" é baseado nos círculos mágicos como As Clavículas de Salomão. As "invocações dos quadrantes" são baseadas na magia enochiana de John Dee. Bruxas tradicionais tendem a não usar conjuntos formais de instrumentos. O sistema de quatro elementos NÃO é comum. Os instrumentos tradicionais não lembram os "intrumentos de trabalho" Wicca. Vassouras, caldeirões, crânios, martelos, espelhos, pedras, chifres... Algumas tradições não usam instrumentos! Os círculos não são tão usados quanto na Wicca... O termo é "girar o compasso" . São feitos através de cerimônias diferentes do Wicca. A Terra já é sagrada... você não precisa "consagrá-la. " Alguns wiccanos chamam a si mesmo de "bruxos(as)". Outros acham dizem apenas "wiccano." A igreja manchou a palavra para um termo de perversidade satânica. Mas "bruxa" destinada a ser insulto no passado uma acusação criminal séria. A Wicca acredita na "reencarnação" e evolução espiritual. Na Bruxaria Tradicional, a alma pode entrar em outra fase de existência após a morte. Deste estado, um renascimento pode ser possível, mas é misterioso. Uma alma pode atingir um nível mais elevado de existência e viver entre a "Companhia Oculta" após a sua morte, mas isto é também um mistério.
Bruxaria Tradicional e Bruxaria Neopagã: As Diferenças Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/humanities/1720962-bruxaria-tradicional-bruxaria-neopag%C3%A3-diferen%C3%A7as/

O Nascimento da Bruxaria


Resumo escrito por:LuizCarlosPereira

Em 1484 o papa Inocêncio VIII, proclamou a bula Summis desiderantes affectibus (vulgarmente conhecida como «canto de guerra do inferno») ao mesmo tempo em que se publicava o Maellus Maleficarum, ou Martelo de Hereges, um livro escrito por dois inquisidores da Alemanha e através do qual a Igreja reconhecia, oficialmente, a existência da bruxaria.

Este reconhecimento resumia-se em três conclusões:
1º. A bruxaria é uma realidade.
2º. A bruxaria funda-se num pacto com o Diabo.
3º. Esse pacto baseia-se na negação da fé cristã.
Deu-se então início à crença oficial cristã nos poderes do maléfico, e reconheceu-se no mundo a existência de bruxos e bruxas e aquela que começou por ser considerada pela Igreja como uma heresia entre tantas, acabou por englobar tudo o que se refere ao oculto (as artes divinatórias, a magia negra, a feitiçaria, o curandeirismo e até o satanismo).
A partir daí e ao longo de 200 anos, deu-se inicio a uma terrível perseguição sangrenta liderada pela igreja Cristã que só durante a primeira metade do Século XVII conduziu à fogueira, indiscriminadamente, uma multidão em torno de trezentas mil pessoas em toda a Europa, acusadas de praticar a bruxaria.
No entanto, acredita-se que a grande maioria dessas pessoas foram mortas simplesmente por praticarem o culto à natureza com rituais simplórios que tinham por finalidade a busca pela fertilidade da terra para uma boa colheita ou mesmo somente conseguir viver em liberdade, pois eram gente simples e normalmente analfabeta e inculta e por isso, crédula nas lendas querendo manter as suas velhas tradições ancestrais, coisa que o cristianismo impedia sistematicamente. Na realidade quando se lutava contra a bruxaria, estava apenas se lutando contra uma invencível religião ancestral a qual se começou a praticar em forma de rito mágico religioso nas reuniões druidas, há cerca de 5000 anos e que se perpetuou ao longo de séculos.
Esses pseudo bruxos eram os componentes da casta intelectual e representavam a figura do sábio sacerdote mágico próprio do povo Celta, que tinha como único deus o Sol  e deste modo e perante essa inocente prática, foi necessária, por parte do cristianismo, a introdução artificial da figura do Diabo, que originalmente, não tinha qualquer relação com as antigas religiões sendo que o mal, era o elemento chave para desacreditar os que não eram cristãos e a desculpa inegável para os exterminar.
O Nascimento da Bruxaria Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/society-and-news/spirituality/2112925-nascimento-da-bruxaria/

Fenómenos E SEMÂNTICA DA BRUXARIA TRADICIONAL


Resumo escrito por:RicardoDRaco

Bruxaria Tradicional é apenas um caminho de crença, quem tem o conhecimento não precisa estender-se e camuflar-se sobre as palavras.


 E ao contrário do que dizem - que somos oposição e que estamos “contra a maré” - dizemos que não somos oposição! Apenas retratamos o que é Bruxaria Tradicional e que todo bruxo tradicional sabedor da crença reconhece.

É estranho pensar que estamos “contra a maré”, nós acreditamos em crenças que fazem diferença e não em cópias plagiadas e filosofias desconectas. Para se ter idéia, a “modernização” de conceitos é bem mais ultrapassada do que se possa imaginar, mundialmente existe um esforço muito grande de preservação de culturas, de folclore, de arte e de línguas, e isto ocorre nas diferentes áreas, etnias e regiões, ou seja, mais e mais pessoas estão buscando culturas diferentes à do “fast-food”.

Nós agradecemos a autores que falam sobre o que poderia ser “Bruxaria Tradicional”, nos dando a chance de poder esclarecer este tão belo caminho. Alguns leitores até chegam confusos trazendo textos carregados e agressivos que mais parecem com uma dissidência da Wicca, visto que pregam a mesma ideologia, porém plagiando sistemas de outras vertentes ocultistas.

É comum também o uso de fontes de magistas e não “bruxos tradicionais” como Austin Osman Spare, que foi como um aprendiz de Aleister Crowley entre outros feitos, ligado a ordem Argenteum Astrum. (para quem não conhece Crowley, veja sobre Thelema).

Percebam a origem das fontes de conhecimento e encontrarão a sua devida ordem iniciática. Perceberão com isso que são magistas e não bruxos tradicionais.

O problema não é o fato de usarem este ou aquela designação, o problema é a desinformação, visto que muitos bruxos tradicionais não acreditam nesses valores, não tem a mesma crença, causando indignação e desrespeito às crenças que muitos lutam por preservar e que são tomadas com total descaso e superficialidade.

A final de contas essa bruxaria tradicional tardia é apenas uma distorção do termo magista, alguns até se acham magos, não pagãos, acreditam em inferno, usam apelidos com nomes satanistas, utilizam de autores de outros caminhos e dizem que o passado foi bom, mas o negócio é o ser moderno! Devemos dizer que esses textos são uma grande anedota para todos os tradicionalistas e colegas de outras ordens em magia.

A questão básica é:
“O que difere você - Bruxo Tradicional “moderno” - de um Feiticeiro Pragmático tal como alguém do Magic Chaos?

Pense, reflita, pois verá por si mesmo que não existe diferença a não ser pelo dualismo dado pelo mito dividindo o mundo nos filhos de Bel e Caim (puro dualismo judaico cristão).

Resumindo: são óbvias demais tais influências, seria uma falta de visão mesclada a uma proposta que não agrega nada de novo ou de valor que se deva investir, a não ser no comércio e uma capa nova para uma específica religião neo-pagã.

O primeiro ponto é não confundir CRENÇAS TRADICIONAIS com Bruxaria, é a mesma sina do Xamanismo que virou rótulo para toda crença tradicional mundial, é esta generalização que nós não buscamos.
Uma coisa é certa: Não comungamos da mesma crença! O nosso caminho é de preservação e reconstrução.

Sobre a busca etimológica da palavra bruxaria, acreditamos que pelo menos, descobriram que é de herança Ibérica e não latina, vou postar a fonte que distorceram, segue abaixo com o devido autor:
“bruxaria - Embora alguns autores tentem provar que o vocábulo proveio do Latim, o mais provável é que ele já existisse em algum dos dialetos falados na Península Ibérica antes da chegada dos romanos, como foi o caso de bezerro, cama, morro e sarna. Esta hipótese é reforçada pelo fato de só aparecer nas línguas ibéricas (Português bruxa, Espanhol bruja, Catalão bruixa); se viesse do Latim, deveria também estar presente no Francês (que usa sorcière) e no Italiano (que usa strega), que também pertencem à família das línguas românicas.”

Autor: Cláudio Moreno
Formado em Letras da UFRGS, com habilitação em Português e Grego.
Doutor em Letras com a tese Morfologia Nominal do Português
Portanto nossos estudos em reconstrução, principalmente, são resguardados por pessoas doutoradas na área de aplicação e não por pseudo-conhecimento.

Conforme o ditado popular “cada macaco no seu galho”, nós não acreditamos que o voodoo seja bruxaria tradicional, ele é feitiçaria tradicional do Haiti, de Louisiana, ou seja, tudo tem sua origem, seu devido nome.

A superficialidade e a mediocridade não são problemas exclusivos da Bruxaria Tradicional, estão impregnadas em muitos ramos do ocultismo. O primeiro passo antes de se aprofundar em qualquer caminho é conhecê-lo, não vemos a necessidade de um caminho existir se ele é uma cópia de outro, não existe função em se ter um nome tradicional para quem não preza pela tradicionalidade!

Já escutamos o lema: “um homem que tem uma visão” a visão pode ser um objetivo, mas no contexto geral é apenas observação, e se você não enxerga que:

Bruxaria = Cultos pré-cristãos
Tradicional = Preservação de Costumes, Folclore, e tudo o que implica na preservação de valores.

Não há o que dizer, a não ser lamentar sua falta de entendimento sobre semântica, sobre a etimologia das palavras.

Aos que desejarem conhecer sistemas mágicos e pragmáticos recomendamos a Magic Chaos, Thelema, Satanismo, OTO, .’.A.’.A, Rosa Cruz, entre outras, nesses caminhos tradicionais, não ocorrerá à distorção e se dará um entendimento direto.

Nós que pregamos a bruxaria tradicional em essência, oferecemos um caminho politeísta, pagão, ancestral, folclórico, entre muitas outras áreas.

Fenómenos E SEMÂNTICA DA BRUXARIA TRADICIONAL Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/social-sciences/anthropology/2107750-fen%C3%B3menos-sem%C3%A2ntica-da-bruxaria-tradicional/

Bruxaria na Religião Tradicional Africano


Resumo escrito por:gilduarte

A crença na feitiçaria é uma coisa universal, no entanto, ele desapareceu de muitos países do mundo, mas ainda existe em algumas partes da África até a data.


 O medo de bruxas na sociedade Africano é tão dominante que tem quase mudou o estilo de vida dos Africano tradicional, as pessoas têm tanto medo que alguns tem a protecção de classificação de outros meios fora Africano Religião Tradicional, este cenário tem levado ao crescimento da outras religiões na África. A origem da bruxaria pode ser atribuído aos anjos caídos (crianças do céu), de acordo com o Livro de Noé, escrito muitos séculos antes de Cristo, explica que "... E os anjos, os filhos dos céus, viram e cobiçaram as filhas dos homens e disseram uns aos outros, venha, vamos escolher entre os filhos dos homens e gerar nos filhos. E todos os outros juntos tomou para si esposas, e cada um escolheu para si, e eles começaram a ir ter com eles e contaminar-se e eles pensaram que os encantos e magia, e ao corte das raízes e fez-lhes a conhecer com a planta". Acredita-se que os filhos dessa união deu origem a bruxaria. O de aquisição de participação deste culto é, em muitos aspectos, entre eles estão o início fetal, ou seja, o feto de um feto podem ser iniciadas pela mãe ou outros, mas eles devem ser membros próximos da família da criança em gestação. Outra forma é através da comida dada a alguém por um membro deste culto, a substância alimentar deve ter sido contaminado pelo que já meio que pretende utilizar, também as pessoas poderiam ser iniciadas por meio do uso pessoal como roupas, bijuterias, etc, estes podem cúpula como um dom e uma vez que a pessoa confiante coloca automaticamente ele ou ela é iniciada. Adulto poderia por vontade própria participar por qualquer razão que vão desde a busca do poder para o medo do desconhecido ea busca de vingança, mas é muito difícil iniciar um adulto. Existem dois tipos de bruxas, estas são as bruxas em preto e branco da bruxa. A bruxa negra é aquela que faz os males da sociedade, eles usam seus poderes para o efeito o mal e toda coisa negativa, por outro lado a feiticeira branca são considerados bons, eles são os curandeiros, usam seus poderes para o positivo as coisas.
Bruxas e bruxos opera principalmente à noite, o seu ponto de encontro é chamado de coven, sua decidem o que fazer e que tipo de estragos a cometer. Eles poderiam mudar para animais, como coruja, gato, cachorro, morcego, cabra etc, enquanto eles são como o sono seu espírito iria mudar a qualquer um destes animais, mas seu corpo poderia permanecer na sala, uma colega de quarto não poderia ganhar consciência até o espírito da bruxa coloca de volta no corpo. Esse culto é tão poderoso que poderia fazer qualquer coisa, desde desertores causando a morte natural, fazendo com que a pobreza, mudar a sorte das pessoas. A Religião Tradicional Africano (ATR) é enganado a contar com esse culto, pois a maioria da ATR padre afirmou que eles são feiticeiros. É verdade que em ATR adoramos o Deus Todo-Poderoso por meio de divindades locais, como Ogun, IBGE, olokn, Songo e os ancestrais, há também os sacrifícios rituais, este é o lugar onde o culto das bruxas é associado com ATR. ATR como uma religião que é praticada com o único objetivo de adorar um ser supremo através de seus servos, não incluem os bruxos e bruxas, bruxaria como uma religião é a sua parte e não da ATR, é porque em algum momento os membros da esse culto é ser físico e em alguns outros momentos, eles são seres espirituais, a fonte do poder deste culto é a partir da força negativa, mas o que o ardente da ATR culto e sua fonte de poder é de Deus todo-poderoso, uma força positiva. A maioria das deficiências atributo Africano, doenças, infertilidade, etc, para maquinações de bruxos e bruxas, assim, os membros do culto é o indivíduo mais odiados na sociedade, é uma crença comum de que uma vez um membro continuará a ser um membro para a vida não importa o que , porca de uma bruxa confessa não ser capaz de infligir danos mais.

Bruxaria na Religião Tradicional Africano Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/humanities/religion-studies/2072415-bruxaria-na-religi%C3%A3o-tradicional-africano/

Comentários